Ver Feed RSS

Carlos Freitas

A Masterização atual no Mundo Globalizado.

Avalie este Post de Blog
Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         11.jpg
Visualizações:	77
Tamanho: 	23.5 KB
ID:      	773

É impossível falar de globalização sem falar da internet que, a cada minuto, nos proporciona uma viagem sem sair do lugar. Dentro da rede conhecemos novas culturas, podemos fazer novas amizades com pessoas que moram a horas de distância e cada vez mais, a partir dela, podemos trabalhar com artistas, eng. de mixagem e masterização e produções de toda parte do mundo..

Antes da internet, masterizar um projeto em outro País era uma aventura muito cara e demorada e caso você não pudesse pegar um avião para acompanhar o processo levando em baixo dos braços as suas músicas finalizadas em mídias físicas, como os tapes analógicos de 1/2 polegada ou DATs, era necessário enviar esse material por Fedex e receber uma prova da Master em CD também por Fedex e isso levava tempo com um alto custo.

Esse processo começou a mudar no inicio dos anos 2000, com o aumento significativo da velocidade das bandas largas de conexão, que permitiu o envio e recebimento das mixagens on line, que passaram a ser em arquivo digital (WAV 44/48/96K 16.24Bits), formato esse que substituiu os tapes analógicos e os DATS.

A Stering Sound, estúdio de masterização localizado em Nova York, uma das pioneiras nesse novo mercado, percebeu que poderia atender artistas do mundo todo e desenvolveu e aperfeiçou o sistema de eMaster assim como o Estudio Abbey Road em Londres, usando o seu STAFF técnico e sua ampla discografia para atrair clientes do mundo inteiro.

Os anos foram passando e muitos profissionais de masterização seguiram a Sterling montando os seus proprios estúdios de masterização e passaram a oferecer os seus serviços online a um preço acessível com rapidez e chegamos ao momento atual.

Masterizar o seu projeto com o eng. que masterizou o disco da sua banda preferida se ficou viável, e essa é a parte mais legal do mercado de masterização globalizado, a escolha do engenheiro de masterização especializado em um determinado estilo, independente do local que ele está.

O produtor do Ivan Lins, Marco Britto, fez um projeto de música eletrônica e encontrou um especialista nesse estilo, o engenheiro de Masterização Luca Petrolessi, localizado em Las Vegas.

No caminho inverso, o produtor americano especializado em salsa Richie Perez, resolveu masterizar aqui no Brasil na Classic Master em São Paulo um projeto de salsa, pois queria um som mais brasileiro próximo ao Samba Rock.

Isso mostra bem como há espaço para todos os profissionais, desde que tenham um perfil diferenciado, um estilo bem definido e um sistema de atendimento on line, que possa atrair clientes de qualquer parte do mundo.

Um outro aspecto do mercado online de masterização, é o que aconteceu com o eng. de masterização Vlado Meller (Placebo, Red Hot Chilli Peppers). Ele resolveu deixar a cidade de Nova York, local do estúdio de Masterização da Sony onde trabalhou por 38 anos e montar seu estúdio pessoal em Charleston, uma pequena e tranquila cidade americana para ficar mais perto da sua familia. (sua filha foi cursar a faculdade nesta cidade) ou seja, você pode morar em qualquer lugar e continuar oferecendo o seu trabalho a seus clientes.

Como estamos falando do mundo globalizado, eu convidei vários artistas, produtores e e engenheiros de mixagem de vários lugares do mundo para participar virtualmente dando o seu depoimento e contando como eles escolheram os seus eng. de masterização para finalizar o seu projeto.

Eles estão todos aqui:

https://www.youtube.com/playlist?lis...NLt0j-JGFX3vFi

O mundo globalizado de masterização esta solidificado e é altamente competitivo, tanto em preço quanto em qualidade dos profissionais de masterização, porém com milhares de clientes espalhados pelo mundo, buscar o eng. ideal para finalizar o seu projeto ficou bem mais fácil.

Atualizado 30/05/2016 em 10:46 AM por [ARG:5 UNDEFINED]

Tags: Nenhum Adicionar / Editar Tags
Categorias
Não Categorizado

Comentários