Ver Feed RSS

Carlos Freitas

Ninguém anda sozinho numa estrada muito boa por muito tempo!

Avalie este Post de Blog
Há um tempo atrás, a masterização de um álbum era feita exclusivamente por um eng. de masterização experiente, especialista e premiado, dono um belo currículo recheado de artistas famosos e ele utilizava equipamentos altamente personalizados, únicos, caros e inacessíveis para a maioria dos profissionais de áudio. A concorrência era pouca e com isso o preço de uma masterização era muito alto com pouca oferta desse serviço.

Concorrer com esses caras não era nada fácil e quase ninguém se aventurava nessa área.

Um bom exemplo é o eng. de master Gavin Lurssen que depois de trabalhar muitos e muitos anos como assistente do Doug Sax no "The Mastering Lab", montou o seu estúdio em 1991, o Lursen Mastering na Califórnia. Lurssen já tinha muita experiência adquirida em sua passagem pelo melhor estúdio de master dos EUA e isso foi fundamental para seu vôo solo.

Eu me lembro bem de quando eu ainda trabalhava na Cia de Áudio, no final dos anos 90, como eram poucos os estúdios de masterização no Brasil. Os principais eram a Visom, a Magic Master e a Cia de Áudio e a demanda pelo serviço de masterização já era bem alta.

Esse processo começou a mudar no meio dos anos 2000, com a chegada dos plug-Ins de masterização como o Waves, Ozone, T-Racks e Universal Audio e com a oferta cada vez maior, o preço desses Plug-Ins caíram muito e cada vez mais, profissionais de áudio viram uma oportunidade de oferecer também os seus serviços de masterização.

Hoje, encontramos serviços de masterização de todos os preços, tipos, formatos, incluídos na mixagem e até mesmo feito automaticamente por sites, que oferecem de graça e a concorrência e a busca por clientes ficou muito forte. Tem muita gente que não tem experiência nenhuma nessa área oferecendo esse serviço e obviamente a qualidade final caiu muito, porém, tem muita gente boa chegando e com certeza, serão cada vez mais fortes competidores para os estudios de masterização tradicionais.

É aquela velha regra do capitalismo, que vale para qualquer pioneiro que faz sucesso e é logo copiado por todo mundo: ninguém anda sozinho numa estrada muito boa por muito tempo.

Atualizado 23/09/2016 em 01:28 PM por [ARG:5 UNDEFINED]

Tags: Nenhum Adicionar / Editar Tags
Categorias
Não Categorizado

Comentários